Problemas com daemon

93

Eu nunca pratiquei Goetia e nem cheguei a começar a leitura das Clavículas ainda, mas estou tendo certos pensamentos que julgo serem perigosos. Desde sábado eu venho pensando no nome de Astaroth a todo momento praticamente, isso tem me incomodado muito e me deixado com um certo receio. Ontem antes de dormir tentei resolver isso realizando 2 RMPs seguidos, tentando obter o máximo de resultado no ritual, mas mesmo assim o nome ficava vindo na minha mente. Pensei em ser um espírito zombeteiro também, mas me chamou a atenção o fato de ser extremamente nítido quando o nome me vem a cabeça.
Algum irmão mais experiente com Goetia poderia me aconselhar? Demais conselhos são bem vindos.

93 93/93

93!

Ainda que eu não acredite em “espíritos” - muito principalmente os zombeteiros - acredito sim em ideias obsessoras. E sim, esse é um expediente mental, e acontece o tempo inteiro, em maior ou menor grau, já que nossa mente inconsciente é uma fera indômita, e pode sim causar desordens mentais e físicas. No entanto, quadros mais graves são raros em pessoas saudáveis (sem predisposição orgânica), e mesmo nesses casos a intervenção medicamentosa pode ser aplicada com sucesso. Mas não quero crer que seja o seu caso.

Na verdade não acredito muito em “pensamentos perigosos”, mas tenho plena fé em sentimentos perigosos, e sei perfeitamente que uma coisa pode se transformar em outra muito facilmente uma vez que ideias e sentimentos são coisas indissociáveis.

Acho que a grande chave para sua obsessão especificamente está no sentido que essa figura tem pra você, no que Astaroth significa na sua vida. Por que o receio? E se você não pratica Goécia, se é que nem sequer leu as Clavículas, por que necessariamente associar o nome a algo além de um conjunto estranho qualquer de fonemas?

Um banimento é uma prática de higienização mental e, por extensão, psíquica e emocional. Ele tem como intuito criar por meio da imaginação uma atmosfera que organize e equilibre a esfera mental, ao menos temporariamente. Formas de banimento existem as mais diversas, e quanto mais tradicionalista você for tanto mais efetivas serão as fórmulas ortodoxas mais fechadas. De toda forma, existem alguns elementos internos que podem permitir que fendas permaneçam abertas nesse círculo; o medo, até por se tratar de um dos sentimentos mais básicos, é o principal deles.

Meu conselho seria no sentido que de você se distraísse com algo agradável e tratasse isso como qualquer outra ideia obsessiva. Quem nunca passou horas, dias até, com uma música chata na cabeça? E se mantivesse fazendo uns banimentos bacanas nos horários habituais. Aliás, essa é uma coisa que pode auxiliar com os RmP, digo essa coisa dos horários; jogando com eles como se tivessem hora para expirar você terá dois pontos de confluência diários, o que pode ser entendido como horários muito poderosos dentro da sua ritualística. É uma dica.

E se quiser mais uma, eu diria pra deixar essa leitura sobre Goécia pra mais tarde. Bem mais tarde.

93,93/93

É como uma música chiclete, basta voltar tua mente para outra coisa que você irá parar de pensar nisso. De qualquer forma, um nome não deveria te incomodar. Se é a tua cabeça quem pensa no nome então é você quem está buscando Astaroth e não o contrário.

Astaroth é um dos demonios mais poderosos na goetia, EU acredito sim que isto possa ter alguma coisa haver com espiritos, acredito mais em demonios mesmo. O aluvaia disse que não acredita em espiritos, então nós somos o que? os demonios não existem? É muito pratico pensar em simplesmente uma ideia obsesora, mas pense bem, você vem pensando na goetia (mesmo que inconscientemente) e é bem possivel que algum demonio da goetia esteja te obsessando. E outra coisa: "Parem de pensar sobre magia como algo desligado de demonios, de anjos ou da propria biblia ou de Deus ou do Diabo, magia tem MUITA conexão com esses assuntos, o que eu mais vejo nesse forum são pessoas iludidas brincando de magia quando “NÃO SABEM!” o quão profundo é este assunto. Só para ilustrar, antes de Roma o estado era a religião, em muitos povos antigos demonios eram adorados, sacrificios eram feitos, então, não, Aleisteir Crowley e a Thelema não são os maiorais nesses assuntos, Aluvaia diz: “Não existe magia negra ou branca” que burrice, o mal e o bem são opostos e são duas vertentes da magia, uma para o bem, outra para o mal (obviamente). E eu acho que você está sendo obsidiado por alguma entidade. É a minha opinião.

A maioria das pessoas aqui pensam que magia é algo que você usa para receber algo, para mudar alguma coisa e não tem consequencias, não há um preço, para tudo há um preço na vida, desde obsessão há pensamentos obsesores.

Alto lá, cara pálida! Muito cuidado com esse negócio de “o aluvaia disse”. Escrevi “espíritos” entre aspas e com letra minúscula para me referir a entidades não-vivas, especialmente aquilo que ordinariamente se chama de zombeteiros. Eu reafirmo que não acredito em possessão e não acredito no intercurso de pessoas vivas com pessoas mortas. Mas afirmo plenamente e com todas as letras que creio na Centelha Divina que habita o Coração dos Homens e os une pelo cerne, creio sim no Espírito do Divino que se manifesta no Universo tendo como veículo o Espírito Humano. Agora esse negócio de necromancia, pelamordedeus, né?! Acredite no que quiser, mas me poupe… ¬¬

Magia existe em toda a volta do globo terrestre desde priscas eras, inclusive em lugares absolutamente indiferentes a pretensa existência de anjos, demônios, diabo, deus e bíblia, haja vista as diversas e fervilhantes formas de xamanismo, que é a primeira expressão tanto da religiosidade humana quanto da magia quando estas eram indiferenciáveis. E mesmo hoje, posso lhe garantir que existem muitas correntes mágico/religiosas, algumas delas até no Brasil, que não estão nem aí pra magia judaico/cristã.

Ad hominem desnecessário e deselegante; rebata o argumento, não deprecie o argumentador já que isso denota falta de capacidade (só um toque).

“Bem” e “mal” são conceitos morais e temporais, e muito já foi discutido aqui com relação a isso e até mesmo relacionado a coisas um tanto mais complexas do que isso, do tipo “Via da Esquerda x Via da Direita” e todo o preconceito que esses termos abarcam e perpetuam. Seja como for, existem mais de uma definição para “magia negra”, por exemplo, e posso garantir que essa de “magia negra para o mal e magia branca para o bem” é a mais pueril delas.

Eu digo que magia é um conjunto de técnicas, todas elas incolores, ou multicoloridas, depende do experimentador. Magia é como o fogo, mil e uma utilidades e nenhuma conotação moral; difícil de se produzir num primeiro momento, relativamente fácil quando se aprende alguns atalhos, e algo com que sempre se estar vigilante pois a finalidade é responsabilidade sua e não culpa da “espécie” de fogo que você está usando.

Ah, mas então por que lidar com “demônios” é perigoso? Porque mexe com aspectos seus inconscientes, ou seja desconhecidos (e não, não existe esse negócio de “pensar inconscientemente”; ou você pensa, ou recalca!), sentimentos e pensamentos em estado bruto e que podem trazer reações psicofísicas violentas.

Sinceramente, acho que você deveria se focar no que você mesmo pensa, no que você mesmo fala e no que você mesmo faz. Suas opiniões são bem vindas, apesar de eu não concordar com elas; seus eventuais rebates argumentativos também. Suas críticas pejorativas, não.

Acho ingenuidade acreditar que um demonio não possa possuir um corpo, e TEMOS casos de possesão registrados na historia e exorcistas que são treinados para lidar com estes e eu admito que no atual curso da historia estamos vivenciando um periodo onde a melhor maneira de se defender de demonios é “se orientar” (Lobsang Rampa). Mas você pode acreditar no que quiser e lidar com os mortos não incita somente necromancia, que é uma parte da magia.

Concordo.

Tudo bem, o experimentador pode ser incolor, mas você me falar que mecher com demonios é do céu e livre de maldade pra mim é maluquisse.

Depende do que você faz com a magia, se quiser matar alguem concerteza vai ter uma conotação moral, a maneira como você utiliza a magia ira conotar algum sentido moral, se você quer poder, se você quer influenciar, essas coisas conotam moralidade.

Demonios existem, e tudo bem você acreditar que demonios são pensamentos reprimidos do seu inconsciente mas eles são muito mais, são aspectos do proprio demonio em questão. E é claro que não se pensa inconscientemente, mas o inconsciente existe ou agora só temos o consciente no nosso cerebro? E você estar tão afixionado por magia e estar pensando na goetia provavelmente vai criar informações sobre ela no seu inconsciente ou sub-consciente, que poderam vir a tona no consciente (como pensar Astaroth toda hora).

Agora, eu não critiquei ninguem, simplesmente não concordo com a maneira como você pensa sobre magia e você é o administrador do forum mas não só por isso citei o que você disse, mas porque você me parece pensar que magia é algo cientifico, que pode ser moldado ao bel prazer do usuario (Eu digo que magia é um conjunto de técnicas, todas elas incolores, ou multicoloridas, depende do experimentador.) Não acho que seja assim, se você usa magia demoniaca, você pode ser quem for, mas esta mechendo com o mal.

E para voltar ao assunto do topico, eu acho que você está sendo obsidiado sim por demonios.

Pode me rotular de ingênuo se isso te satisfaz, mas aquilo que você chama de “possessões registradas” são amplamente questionadas tanto pela medicina quanto pela psicologia e até pela parapsicologia. O que era possessão antigamente, é doença mental e distúrbio psicofísico para os investigadores moderno. E até onde sei, a parte da magia que se propõe a lidar com os “espíritos” dos mortos se chama sim necromancia.

Pode me rotular de maluco se quiser, mas digo que nem todo mundo que mexe com “demônios” o faz para produzir o mal. Magia é um caminho íntimo de auto-descoberta. Quem mexe com “demônios” mexe com os seus próprios demônios. Já esse papo de “céu” é por sua conta, pra mim o céu é onde voa o avião.

Aí, como eu disse, é responsabilidade sua, a prática mágica não é “boa” ou “má”, você é que age em conformidade com a sua moral, ou não. A técnica não muda e nem determina a intenção.

Inconsciente existe, e sim, recalcar coisas ou se deixar obsediar por elas pode, é claro, produzir pensamentos obsessivos, mas não, por nada posso crer que seja o próprio Astaroth em pessoa advindo das profundezas do Inferno que está debaixo da cama esperando pra atacar.

Você fez críticas sim, elas estão pontuadas na minha resposta, dizer que algo que alguém disse é “burrice” é uma crítica, e não é das mais construtivas, convenhamos.

Eu não sou administrador do Fórum, sou moderador, e não sei no que isso interfere na discussão já que não uso meus maravilhosos “superpoderes” de moderador pra absolutamente nada. E pelo que entendo e acredito, magia é algo científico sim, aliás tudo o que existe na matéria se explica de maneira científica (ao futebol as regra do futebol, não do vôlei!); nós até podemos não ter encontrado explicação pra um monte de coisas, mas não significa que elas não existam, e apelar para o sobrenatural acho pouco maduro. O que você chama de “magia demoníaca” só o será pra quem acredita no demônio, e eu posso tranquilamente fazer magia e não acreditar nesse senhor, como de fato. Posso estar equivocado? Sim, mas é uma posição forte e amparada na razão e na razoabilidade, não em fé.

Ah, e o “Terça-Feira” Lobsang Rampa, tudo indica que tenha sido um charlatão de quinta categoria… rsrsrs

Tudo bem, mas vou fazer uma pergunta bem direta:

Então quem faz magia demoniaca e não acredita em demonios simplesmente não esta invocando poderes infernais ou demonios em si, mas sim outra coisa que a mente da pesoa esta analogando? Serio cara, eu não entendo isso, se você faz uma conjuração a um demonio você esta fazendo magia demoniaca, ou vai falar que é do céu os demonios? Não entra na minha cabeça.

Demônio são codificações. Você já deve ter notado que na magia, assim como em todas as tradições ocultas muitas coisas são cifradas (e por isso dizemos que são ocultas!). Demônios são simbólicos. Céu, Inferno, Árvore da Vida, Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, Lúcifer, a Serpente, Cristo, Adão, Eva, Caim, Abel, o caralhA4… Tudo são simbologias. Acreditar nessas coisas literalmente é flertar com a loucura. Alquimia não é simbólica? As Ordens mágicas e místicas não são impregnadas de simbolismo? O sagrado passou sempre obrigatoriamente pelo simbólico para se manter preservado da corrupção. Velado, ocultado sob o véu do alegórico. Muitas culturas usam esse expediente, não é uma exclusividade das religiões Abraâmicas.

Você pode fazer aquilo que chama de “magia demoníaca” se quiser, pode até evocar e se identificar com o que chama de “demônios” se desejar, mas está fazendo isso errado, é auto-ilusão, o máximo que vai conseguir é atrair coisas ruins para a sua vida, e isso não por causa dos pretensos demônios, mas por causa do que eles representam pra você. O que faz a magia acontecer é o inconsciente, e este só se comunica por meio de símbolos, que é a linguagem que ele conhece. O que importa é a intenção expressa pela via da representação alegórica. Vai atrair e até manifestar o que a ideia representa e não a coisa em si.

É da literalização da religião que nascem os fundamentalistas. E no ocultismo não é diferente. Mas, enfim, que cada um creia no que seu coração mandar.

Bom final de semana a todos!

1 Curtida