Empecilhos mentais e "improvisos" simbólicos

Caros membros do fórum,

"Faça o que tu queres,há de ser o todo da lei"

Gostaria de saber opiniões pessoais das experiências magística que cada um teve sobre os empecilhos mentais durante a realização dos ritos.Por acaso algum de vocês já passou pela(s) seguinte(s) situaçã(ões)?

1-De na hora da prática ocorrerem pensamentos sobre outras coisas que não tenham nada a ver com o rito?

2-De pensarem que algo vai dar errado mesmo que assim não quizessem pensar,como se fosse algo forçado e que não partisse diretamente do consciente do magista?

3-Pensarem coisas negativas e/ou malignas durante o processo?

4-Do medo do "sobrenatural" antes,durante ou após a prática?

5-Sono ou um cansaço mental?

Se sim para alguma dessas perguntas,além das práticas recomendadas de meditação,visualização,controle mental e concentração o que cada um fez de diferente que deu certo?

Outra questão que vem a minha mente é sobre até onde vai o grau de improviso em substituições de objetos,materiais e simbolismos dentros das praticas a fim de que não perdessem o sentido nem a eficácia sem deixar de levar em conta o "faça o que tu queres".

Por exemplo:um cálice é um receptáculo,um simbolo de princípio passivo que remete ao útero universal,ao graal,aos caldeirões alquímicos da bruxaria e suas poções.Tudo bem que pela mente do praticante um simples copo em sua mente pode assumir a mesma função.Mas aquele cálice dourado incrustado de simbolos não ficaria mais bonito para ele e reverberaria melhor?

Acompanhando esse raciocínio,para ritos complexos ocorreria da mesma forma?Tipo,unção do óleo de abramelin com um de "efeito" "similar"?Ritos em que se substitua placas de ouro por papel laminado dourado.Do ponto de vista do magista,ele pode considerar válido.Mas e do ponto de vista de uma entidade invocada,por exemplo,como um espírito goético,por exemplo?ele ficaria satisfeito em ser chamado tanto com um selamento comum feito de papel ou tenderia a ser mais favoravel se por exemplo fosse de ouro,de propriedade energética diferente e que portanto para ele seria mais "agradável"?

O que acham?

Sinceramente,

K.

Tentando responder às suas perguntas mais ou menos do modo e na ordem como às perguntou:

1 - Muitas vezes na hora das práticas ocorrem-me pensamentos dispersivo, aliás eu sou uma pessoa dada ao devaneio.

Procedo exatamente como faço no serviço, ou como que fazia nas provas do colégio ou mesmo quando estou tento uma conversa chata com alguém, concentro-me no que estou fazendo pois naquele momento isto deve ser mais importante do que tudo.

É só uma questão de foco, me esforço para restringir seus pensamentos. Claro que a mente prega peças, não é fácil, se fosse qualquer um faria, mas é possível.

Também não permito que as práticas se tornem uma coisa automática, pelo contrário, sinto que estou fazendo algo extremamente importante, permito-me ficar levemente ansioso, excitado, eventualmente até exaltado quando me é possível.

2 - Não costumo pensar que as coisas vão dar errado. Não sei se é excesso de confiança, mas esse é um dos pensamentos que mais facilmente eu aprendi a controlar. Não que tudo sempre dê certo, apenas eu que não me preocupo com isso mais do que acho que deveria.

3 - Nunca me acontece de pensar em coisas negativas sem um motivo concreto, esse tipo de pensamento não costuma me assaltar. Quanto ao malígno não costumo aceitar por sí só esse tipo de rotulação.

4 - Também não tenho medo do sobrenatural (já tive, não tenho mais), aliás acho essa palavra meio estranha, já que acho tudo muito natural.

5 - Sono e cansaço mental sim, mas deve-se resistir, afinal nisso reside a vontade. Mas admito que já dormi algumas vezes realizando algumas visualizações em posições confortáveis demais.

Com relação aos improvisos dentro dos rituais eles vão até onde seu senso crítico determinar. E referente aos objetos mágico uma coisa é certa "quanto mais colocar neles mais recebera deles". Não me refiro necessariamente a dinheiro, mas a empenho.

Vamos usar o exemplo que você deu da substituição do cálice por um copo.

Não permita que esse copo seja "um simples copo". Busque em vários lugares até achar um copo legal, mesmo que seja de vidro, mas procure por ele. Enfeite-o, personalize-o se achar que deve.

Não quero fazer propaganda de nada, mas com uma daqualas colas tipo "durepox" ou "poxipol" e alguma habilidade manual você pode fazer milagres.

Claro que se você é rico e tem como adquirir um cálice maravilhoso todo encrustrado de pedras e tal, ou placas de ouro, porque nâo fazê-lo?

Mas se é um pé-rapado como eu, o copinho enfeitado cheio das mais sinceras intenções, ou o papel laminado dourado servirá tão bem quanto. Esqueça-se a materia, agora você está no mundo das INTENÇÕES e as coisas serão o que voce determinar que elas sejam.

E os espíritos goéticos é que devem serví-lo e não o contrário. Me importa pouco o ponto de vista das entidades invocadas.

Claro que com o SAG são outros quinhentos... [;)]

Viu Kayque? [:P]

A opiniao pareceu familiar? [;)]

mas quanto ao seu problema inicial de dispersao, ele eh super comum no inicio!

Eh justamente por causa dele que sao indicados os treinamentos de Pratiahara e de Dharana em Liber E!

93!

Caro Aluvaia,

Mas se é um pé-rapado como eu, o copinho enfeitado cheio das mais sinceras intenções, ou o papel laminado dourado servirá tão bem quanto. Esqueça-se a materia, agora você está no mundo das INTENÇÕES e as coisas serão o que voce determinar que elas sejam.

E os espíritos goéticos é que devem serví-lo e não o contrário. Me importa pouco o ponto de vista das entidades invocadas.

Claro que com o SAG são outros quinhentos... [;)]

Você disse tudo,agora estou mais tranquilo quanto ao que eu devo fazer com minha vontade. [:mrgreen:]

Lork,

Agora entendi,e sim,reparei na similaridade.So iniciei o topico para confirmar algumas coisas e para ver a visão pessoal que outros membros possuem.

93,93/93!

Prezados Frati,

93

Dentro da AA, existe uma regra de si conhecer o seu mestre imediato e os membros que vc ira introduzir. Questões de Pratica vai a dica: Sucesso é tua prova e o que é remédio para um é veneno para outro. Então de provas sempre a si mesmo!

Att,

G.´.

93.93/93

Caros membros,

93

Prezados Frati,

93

Dentro da AA, existe uma regra de si conhecer o seu mestre imediato e os membros que vc ira introduzir. Questões de Pratica vai a dica: Sucesso é tua prova e o que é remédio para um é veneno para outro. Então de provas sempre a si mesmo!

Att,

G.´.

93.93/93

Foi até importante ter me lembrado disso;até pelo fato de o que ocorre ou dá certo com um não o dará necessariamente com outrem e no final eu tenho de decidir.

Sem mais nada a dizer no momento,

Sin cerus,

Inté,

K.

93,93/93. [:P]

Minha intenção não era necessariamente influenciá-lo a fazer isto ou aquilo do mesmo jeito que eu, gostaria que isto ficasse bem claro. Escrevo na primeira pessoa. Não sou exemplo de ser humano nem de magista, tampouco pretendo ser.

Se houver algum aproveitamento disso, ótimo. Mas faça do seu jeito. Você é o Deus todo-poderoso do seu próprio Universo. E eu do meu. [;)]

Não há lei senão faz o que tu queres.

Mas se eu pude ajudá-lo por minimamente que seja respondendo às quetões que você mesmo levantou, isso faz com que eu me encha de uma alegria verdadeira que talvéz você realmente nâo possa mensurar. [:D]

Caros Magos

Há muito não me deparo com ilustres e não meros principiantes. Ao observar o questionamento sobre os materiais, achei oportuno lembrar o seguinte:

Na maçonaria, nos reservamos a evitar o improviso, pois entendemos que ninguem nasce ou morre improvisadamente. Se vc planta uma erva em seu jardim, e tem nela a esperança de uma determinada cura, e estabelece regá-la, nescessariamente, às quatro da manhã, submete sua vontade de dormir (do corpo, é claro) para direcioná-la à vontade de uma determinada cura. Abstém-se de fins de semana, feriados e dias de chuva, onde a matéria tende-se à inércia e canaliza sua energia para aquele fim.

Se vc submete a sua vontade de comprar um chocolate, e reserva este e outro dinheiro para a compra de um cálice de ouro, mesmo e ainda que demore sua aquisição, seu resultado será, sem dúvidas (digo tudo dentro da minha humilde opinião) muito mais frutificante, devido a dificuldade e, consequentemente, a vitória e sensação de conquista.

Voce acaba se sentindo muito mais capacitado em suas ordens, e não fica "dependendo de favores" deste ou daquele ser.

"Vencer minhas paixões, submeter minhas vontades e fazer novos progressos..."

Obrigado pela oportunidade, encerrando votos de estima e capacitação a todos. Quem tem ouvidos, ouçam.

Kleber Antunes.'.

Kleber,

93!

Sua opinião é muito importante e foi muito pertinente,obrigado [:)] .No mais,tens razão sobre o esforço.Afinal,"para colher as rosas,temos de suportar os espinhos".

Sem mais,

K.

93,93/93!

É,... no meu caso eu tenho que improvisar ou não fazer.

Perdi muito tempo da minha vida usando a falta de dinheiro, de espaço, de privacidade e de conhecimento como desculpa. Felizmente chega o momento em que você começa a caminhada ou desiste dela. Eu comecei.

Se fosse esperar conseguir grana para artefatos específicos, ou para comprar uma casa com um quarto só pra mim, longe da mulher, filho, vizinhos... Ia morrer de velho sem ter feito uma única pentagramação.

Afinal de contas o templo é você, seu corpo aliado às suas intenções são suas armas.

O mais é dedicação, persistência, disciplina, amor, imaginação e vontade. [;)]

Tens razão.

Fico aqui com inveja dos grandes adeptos com Crowley que tinham recursos de sobra para viajar à vontade,comprar isso e aquilo e ainda fazer pose huhuhu.Bando de playboys [:evil:]

rs!

Inté,

K.

Certo eles. Se eu tivesse grana acho que gastaria só com isso.

Tai com o que eu não economizaria. Compraria do bom e do melhor sempre.

Sonha, aluvaia, sonha... [:lol:]