Os escravos devem servir

Qual será o significado da expressão "os escravos devem servir" ?

Eu tinha uma resposta já "enlatada, rotulada e pronta pro consumo" a esse respeito, mais ou menos algo do tipo "nós escravos de nós mesmo, dos nossos instintos, das perniciosas influências egóicas", e tal... Mas cada vez tenho menos certezas em relação a isso. Acho que é uma trama enraizada demais para tão simples definição.

Certa vez vi alguém dizer que "aos escravos (se dê) o direito de servir"... e acho, no final das contas, algo muito justo. um Direito é sempre uma coisa legal, não é mesmo?

Tendemos, quando falamos "deles, os escravos", a afastar de nós esse rótulo. Por outro lado, adoramos vê-lo carimbado na testa dos outros. Não será o também o nosso julgamento racional um avassalador silencioso, um capataz do ego, da vaidade?

Será razoável julgarmos pessoas diferentes de nós mesmos baseados em nossos próprios conceitos e pré-conceitos, concepções e experiência tão únicas? Será legítimo? Será frutífero?

Os escravos servirão...

Servirão? Servirão a quem? Onde estão os Senhores? Onde estão os libertos, os Livres, os completamente livres?

Não sei não, hein... Alguém se candidata?

1 Curtida

Caro aluvaia, li o seu comentário e fiquei a pensar num filme chamado Metropólis. Talvez aí esteja a resposta. Veja o filme, mas se não tiver conhecimentos base de Thelema não vale a pena.

Minha contribuição sobre esse fragmento.

A frase no original é "the slaves shall serve".

Verdadeiramente, um dos sentidos do verbo "shall" é sinônimo de "must".
Assim, a frase é sinônima de "the slaves must serve" cuja tradução correta é "os escravos devem servir".

Porém, entre quatro sentidos desse verbo, o Merriam-Webster atesta que os outros três tem um sentido diferente.
Idiomaticamente, o verbo "shall" é usado para indicar o imperativo ou, em geral, o inevitável.
Assim, a frase é sinônima de "the slaves will serve" cuja tradução correta é "os escravos servirão".

Como decidir qual dessas diferentes acepções é a correta?
Pelo contexto.

Liber Legis, versículo II:58, fragmento:
"Therefore the kings of the earth shall be Kings for ever: the slaves shall serve."

O verbo shall é usado duas vezes: uma vez com referência aos Reis e uma vez com referência aos escravos.
Se "shall" é "must", então o fragmento é: "Portanto os reis da terra devem ser Reis para sempre: os escravos devem servir."
Se "shall" é "will", então o fragmento é: "Portanto os reis da terra serão Reis para sempre: os escravos servirão".

1 Curtida

Aqueles que necessitam de escravos são incompletos e não conhecem a si mesmos.
Não precisamos de subordinados, mas sim de companheiros e amigos.
Não podemos fazer uso da interpretação literal para compreender os Livros Sagrados.

De outro lado, se todos somos 'Estrelas', não podemos interferir na Verdadeira Vontade de cada um.
Pelo contrário, devemos criar oportunidades para que os escravos se libertem e se reconheçam como Seres Divinos.

No comentário Crowley explica que “Toda estrela têm uma função em sua galáxia adequada à sua própria natureza. Muitos danos surgiram de nossa ignorância em insistir, pelo contrário, que todo cidadão está apto para qualquer e todo dever social”, e segue com sua teoria de trabalho x Thelema.

Partindo disso, me parece que a frase seria equivalente a “os professores ensinarão”, “os cozinheiros cozinharão”, “os pedreiros construirão”, i.e., cada um trabalhará (ou deverá trabalhar) de acordo com sua própria função.

2 Curtidas

O escravo é aquele que serve a um ou a alguns. O Rei é aquele que serve a Todos.
Certa vez ouvi que o servo é o mestre em disfarce. Num filme bonito. 8))

Escravo também tem o sentido de prisioneiro, o prisioneiro que deve servir ao seu senhor.

Todos no fundo somos servos de nossos desejos, pensamentos, escolhas, objetivos...

A pergunta que fica é : Quem não deve servir?

Aqueles que não são escravos, que não estão presos a um senhor.

Quem seriam os Reis da terra?

Talvez aqueles que atingiram algo próximo ao nirvana.Que desfizeram as ilusões que os mantinham aprisionados e se fundiram com o tudo mais.

Mas tudo isso é apenas especulação.

Quão terrivelmente avassaladora será essa tal "Verdadeira Vontade", capaz de obrigar um Rei a cumpri-la a qualquer custo somente pelo fato de conhecê-la?

1 Curtida

É incrivel como vocês esquecem que o Crowley é um indivíduo político e um filosofo.

Crowley era claramente um ilegalista ético. Não havia crime para crowley que não fosse obrigatoriamente uma violação de direitos naturais. Ao mesmo tempo as leis dos homens são crimes.

Os homens que criam leis para os outros, homens que limitam os demais em vez de reafirmar a liberdade e responsabilidade indivíduas que é a base de thelema são escravos de si, e escravos daqueles governante os quais botaram no governo.

Os escravos servirão significa que apenas alguem ignorante de sua condição e da condição alheia como deuses se curvaria a lei civil seja ela sustentada em falácias de igualdade ou seja ela sustentada na pura força.

A questão é que o uso da força por parte do indivíduo, ao contrario do coletivo, é justificavel na medida é que é defensivo, enquanto a força emanada do coletivo se inclina a opressão e a violação dos direitos naturais e consequentemente humanos e indivíduais mais basicos.

http://hadnuit.com.br/liber-oz

Liber Oz

Liber OzLiber LXXVII

"a lei
do forte:
esta é a nossa
lei e a alegria
do mundo." AL. II. 2

"Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei." --AL. I. 40

"tu não tens direito a não ser fazer a tua vontade. Faze aquilo, e nenhum outro dirá não." --AL. I. 42-3

"Todo homem e toda mulher é uma estrela." --AL. I. 3

Não existe deus senão o homem.

  1. O ser humano tem o direito de viver por sua própria lei-- de viver da maneira como quiser viver: de trabalhar como quiser: de brincar como quiser: de descansar como quiser: de morrer quando e como quiser.
  2. O ser humano tem o direito de comer o que quiser: de beber o que quiser: de morar onde quiser: de se mover como quiser sobre a face da terra.
  3. O ser humano tem o direito de pensar o que quiser: de falar o que quiser: de escrever o que quiser: desenhar, pintar, lavrar, estampar, moldar, construir como quiser: de se vestir como quiser.
  4. O ser humano tem o direito de amar como quiser:-- "tomai vossa fartura e vontade do amor como quiserdes, quando, onde e com quem quiserdes." --AL. I. 51
  5. O ser humano tem o direito de matar esses que quereriam contrariar estes direitos. "os escravos servirão." --AL. II. 58 "Amor é a lei, amor sob vontade" --AL. I. 57

Ao mesmo tempo muitos discordarão de mim, dizendo que Crowley era sim um ilegalista, mas não ético em doutrina política e nem mesmo chegado a direitos naturais. Basearim isso no fato de ele defender o direito de matar os inimigos.
A questão é que Crowley sempre pregou amor, e ao mesmo tempo, tal qual ele deu exemplo no relato em que era atacado por mendigos e se defendeu usando uma pistola, não há direito a vida sem direito a legitima defesa, e não há direito a legitima defesa pleno e prático sem que um dever de recuar e uma penalização sobre o possivel óbito de um agressor sejam desconsiderados, e o resultado do embate, mesmo que o óbito do agressor recaia unicamente sobre o agressor. A culpa nunca é de quem se defende, e quem se defende não tem o dever e nem deve ser punido por utilizar de toda força disponivel desde que direcionada adequadamente (armas de destruição em massa não se aplicam, tl qual a atuação do deus do antigo testamento é absurda pois ataca o coletivo em nome de atos de indivíduos, estejam eles corretos ou não).

O que o crowley prega equivale aos preceitos de direitos naturais e georgismo.

TODO INDIVÍDUO TEM DIREITO SOBRE A SUA VIDA, SOBE A SUA LIBERDADE E SOBRE A SUA PROPRIEDADE (INCLUSO NISSO O DIREITO SOBRE O PROPRIO CORPO E O PROPRIO FRUTO DO TRABALHO), TERRAS DEVEM SER OCUPADAS LIVREMENTE MAS NÃO HÁ PROPRIEDADE REAL SOBRE TERRAR E RECURSOS NATURAIS, AO MESMO TEMPO QUE O RECONHECIMENTO DE TAIS DIREITOS PARA SI IMPLICA EM RECONHECIMENTO DE TAIS DIREITOS PARA OS DEMIAS SERES HUMANO, CRIANDO UM PACTO DE NÃO AGRESSÃO FRENTE A TAIS BENS CONCEDIDOS PELA NATUREZA, QUE SÃO DIVINOS, POIS A NATUREZA É DEUS, O HOMEM EXISTE NA NATUREZA E PORTANTO DETEM O PORDER DE DEUS ENQUANTO RESPEITAR A DIVINDADE ALHEIA.

ISSO SE REINTERA NOS DISCURSOS DO CROWLEY SOBRE BLACK MAGICK.

QUEM QUIZER DISCUTIR MAIS SOBRE ISSO PROCURE NO FACEBOOK POR LN Bsc.

Desculpe os erros deprotugues do texto acima, tive de escrever as pressas pois estava no notebook da minha irmã.


O que Crowley reafirma em 5. de Liber Oz é o direito a legitima defesa, sustentado por uma doutrina de reação proporcional como suportados na lei americana por meio da Doutrina Castle e das Leis Stand Your Ground.

Tudo isso se extende a questão dos escravos.
O estado é constituido de escravos.
O coletivo é consituido de escravos.
Pois o estado e o coletivo fazem-se escravos e desejam tornar outros seus escravos por meio de conveções, tidas erroneamente como leis, que violam o direito divino e consequentemente humano.

Vida, liberdade e propriedade (principalmente pelo seu corpo e fruto de seu trabalho).

http://www.thelema.com.br/espaco-novo-aeon/ensaios/eu-me-torno-invisivel/

"(...) Este foi o início de uma arte que me foi bem útil em Calcutá, anos depois. Enquanto eu estava caminhando pelo bairro local à noite, eu fui atacado por ladrões.

Quando eu vi uma faca brilhar eu pensei que isso já era demais; embora com as mãos restritas, eu consegui disparar meu revólver. Centenas de nativos despertaram pela imediata notícia de que me procurassem, mas eu fui capaz de andar despercebido dentre eles, e escapar."

Não escravize outros e não se fará escravo.
Escravize outros e você cria a sua própria jaula. Ação e reação, reforço a ecoar pela eternidade.

Não atente contra a vida, liberdade e propriedade de outros e assim não atrairá atentados contra as suas.

Você é autorizado a usar força letal para se defender, no momento em que fere ou mata outro ser sem fim defensivo ou magico legitimo você mata a si proprio, se torna um escravo, abre espaço para ser morto, isso sem contar o fato de que a menos que seja você seja um psicopata ou lunático a sua consciência lhe punirá, seu ego lhe escravizará.

E não alimentem os trolls... Mas isso já não é nenhuma novidade... Mas muito SÉRIO

Hahaha brincadeirinha....

Sorte para todos :)

***Faça o que tu queres, haverá de ser o todo da Lei”
Não há em nosso tempo mais o manto que cobrem as verdades. Bastando o ser questionar diante de tudo que há no universo de informações que vivemos. Depende de cada um o tempo para começar. Geralmente, quando sentimos que a algo desconexo na forma em que levamos nossa existência. Mas outras vezes por algo que nos chama atenção para a liberdade.
De uma forma ou de outra, somos todos escravos, não há rei entre nós. O que há são pessoas que despertaram para a escravidão pela qual são subjugadas. Se todo thelemita, ou os que se dizem thelemitas fossem reis, seria uma contradição buscarem a iluminação do conhecimento através das ordens e do pensamento de Crowley.
"Amor é a Lei, amor sob vontade"